Luiz M. Calegari

Cada Click é um Mundo

Get Adobe Flash player

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5 CIDADES - 9° Ano: ESPAÇOS RELACIONAIS, ESPAÇOS DE CONEXÃO

1.-O que é cidade? Qual é o significado da palavra “urbano”? 

Cidade é uma aglomeração de pessoas, objetos, negócios e atividades em determinado espaço físico, buscando a maior proximidade possível. Para o IBGE, são consideradas cidades as sedes administrativas dos municípios e dos distritos. A palavra “urbano” foi, durante muito tempo, sinônimo de “cidade”. Hoje, entretanto, seu conceito abrange uma realidade mais ampla. Os espaços urbanos são aqueles que possuem densidade demográfica e diversidade de atividades/objetos sempre maior que os espaços não urbanos (espaços rurais); praticam um modo de vida originário na cidade, mesmo que esse espaço não seja uma cidade propriamente dita – subúrbios afastados e com alguma dispersão, zonas agrícolas modernas (agrobusiness). Atualmente, fala-se em sistema urbano, cujo ingrediente principal é a cidade, núcleo dos espaços urbanos.

2.-Concentração, aglomeração e ajuntamento são formas espaciais que diminuem a distância entre as pessoas e os objetos. Quais são os significados de expansão, dispersão e espalhamento?

Expansão, dispersão e espalhamento significam criar e ampliar distâncias entre pessoas, objetos e atividades. É exatamente o contrário de “cidade” e de “urbano”.

Leitura e análise de mapa e texto

Observe o mapa da próxima página e responda: 

1.-Qual é o principal fenômeno representado nesse mapa? Que recurso da linguagem cartográfica é utilizado para representá-lo? 

O principal fenômeno representado no mapa, além do próprio território do Estado de São Paulo, são suas principais cidades. Salvo a capital do Estado, representada por um ponto com um círculo, as demais cidades são representadas por meio de pequenos círculos sólidos do mesmo tamanho. O objetivo do mapa é localizar essas cidades, sem colocar dados sobre a importância econômica ou população absoluta. Talvez os alunos percebam que a maior concentração desses círculos sólidos acontece nas proximidades da capital e elas se dispersam em direção ao interior.

2. Leia o texto a seguir e responda às questões.

A população urbana do Estado de São Paulo

Em 1997, o Estado de São Paulo passou a ser dividido em 645 municípios, situação que não se altera até o ano de 2013. O município é uma unidade política e administrativa, interna aos territórios dos Estados brasileiros. No interior de cada município, define-se o que é a área urbana. Em geral, é a área sede do município, ou seja, a cidade propriamente dita. Somados todos os habitantes das áreas urbanas dos 645 municípios paulistas, chegamos ao volume da população urbana do Estado de São Paulo: de acordo com o Censo 2010, foram contabilizados 39,5 milhões de habitantes residindo em áreas urbanas (96% do total). Logo, a população rural correspondia a apenas 4% da população. Há regiões do Estado cuja concentração urbana é tão elevada que a população urbana de municípios vizinhos compõe um único espaço urbano de escala local. É o caso da capital e dos municípios vizinhos que, somados, formam uma das maiores metrópoles do mundo. No Estado de São Paulo, visando a ações administrativas, foram oficializadas quatro regiões metropolitanas: São Paulo, Baixada Santista, Campinas, Vale do Paraíba e Litoral Norte (sendo essa última criada em 9 de janeiro de 2012). Ainda de acordo com o Censo 2010, a região metropolitana de São Paulo concentrava, sozinha, 48% da população paulista – a melhor expressão da concentração populacional dessa região é o número de habitantes por quilômetro quadrado: 2 476,82 hab./km2. Por sua vez, a região metropolitana de Campinas respondia por 7% da população paulista, enquanto a região metropolitana da Baixada Santista responde por 4%. Nos três casos, a maioria absoluta da população era urbana. Em todo caso, 58% da população do Estado se concentrava em apenas três núcleos espaciais, quase inteiramente urbanos. Evidentemente, essas áreas possuem um enorme dinamismo econômico. Há outros núcleos menores, também dinâmicos, que vêm se tornando importantes polos de concentração, como São José dos Campos, Sorocaba, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. Seguindo essa lógica de concentração demográfica em poucos núcleos, na maior parte do território do Estado serão encontradas baixas densidades demográficas. Por exemplo: na região do Vale do Ribeira, no sul do Estado, ou no oeste paulista.

Elaborado por Jaime Oliva especialmente para o São Paulo faz escola. Fonte de dados: Sinopse do Censo Demográfico 2010. Disponível em:  <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/sinopse/sinopse_tab_rm_zip.shtm>  e  <http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=29&uf=35>. Acessos em: 13 jan. 2014.

a)-Se cidades são concentrações, aglomerações, ajuntamentos de pessoas e de objetos, o que as informações expostas no texto evidenciam? 

O texto destaca que há um processo de urbanização mais intenso em algumas regiões do Estado de São Paulo, tendo em vista a concentração evidenciada pela elevada densidade demográfica em algumas áreas urbanas (nas áreas metropolitanas, por exemplo). Essas áreas reúnem, em pequenos espaços, a maioria da população do Estado.

 

b)-A concentração de pessoas e de objetos é a mesma em todas as cidades do Estado? Justifique sua resposta, citando exemplos. 

Essa concentração ocorre em poucas cidades – como São Paulo, Campinas, Santos, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Sorocaba –, que concentram a maioria da população do Estado.

 

3.-Observe novamente o mapa. Ele representa as informações apresentadas no texto? Justifique.

O mapa não corresponde às informações trazidas no texto, pois as dimensões e a tendência à concentração não estão representadas, ou seja, a verdadeira geografia (lógica espacial) do fenômeno não está representada. No mapa, podemos observar somente a localização das cidades.

 

4.-Faça uma descrição do Estado de São Paulo com base nas informações do mapa e do texto.

Mais da metade da população do Estado de São Paulo está concentrada em alguns poucos centros urbanos (regiões metropolitanas de São Paulo, Baixada Santista e Campinas). Disso resulta que as outras áreas têm baixa densidade demográfica. Essa é a lógica do espaço humano: altas densidades de pessoas e objetos em poucos núcleos do Estado, enquanto na maior parte dele há áreas de menor densidade demográfica.

  

PESQUISA

Em uma folha avulsa, faça com seu grupo uma lista das características de duas metrópoles do Estado de São Paulo: São Paulo e Campinas. Para tanto, procurem informações sobre os seguintes aspectos: população; recursos econômicos (indústria, comércio, serviços); recursos culturais (universidades, cinemas, teatros e museus); instituições políticas e estatais etc. Combinem com seu professor como encontrar fontes e como apresentar os resultados da pesquisa.

 

Leitura e análise de mapa

1.-Observe o mapa Região metropolitana de São Paulo, apresentado na próxima página.

a) O que significa a área rosa? Identifique os municípios nela representados.

Segundo a legenda, trata-se da área urbana, mas, na verdade, o mapa retrata o espaço urbano contínuo e contíguo, ou seja, a área conurbada e mais construída. Alguns dos municípios representados nessa mancha rosa são: São Paulo, Osasco, Carapicuíba, Taboão da Serra, Cotia, Ferraz de Vasconcelos, Santo André, São Bernardo do Campo, Diadema,  Mauá, Guarulhos, São Caetano, Itaquaquecetuba, Arujá e Mogi das Cruzes.

b)-Considere agora o que está fora da mancha rosa. Liste os municípios e responda: Os habitantes que se encontram nessa área se relacionam cotidianamente com o núcleo rosa da metrópole? Justifique.

Embora não pertençam à área contígua e contínua, as áreas fora da zona rosa estão conectadas intensamente a essa zona por meio de redes, e os habitantes desses outros municípios têm relações cotidianas com o núcleo da metrópole, o que os faz integrantes dela. Mesmo morando fora da área urbana contínua, trabalham e dependem de serviços e do comércio dessa área urbana.

2.-Com base no mapa Região administrativa de Campinas, apresentado na página 42, responda:

a) Observe o mapa (em laranja), do lado direito, e enumere, sobre o próprio mapa, os municípios que compõem a região metropolitana de Campinas.

Direcionando a atenção ao mapa da região metropolitana de Campinas, em destaque no lado direito do mapa Região administrativa de Campinas, e pautando-se no limite administrativo de cada município (linha cinza), os alunos chegarão ao número de 19 municípios, entre os quais podemos destacar: Paulínia, Campinas, Hortolândia, Indaiatuba, Cosmópolis, entre outros.

b)-Na região administrativa de Campinas, quais são os municípios em que a mancha rosa, que identifica no mapa a área urbana, é maior? Como essas manchas estão conectadas?

Dentro da região metropolitana de Campinas, os alunos perceberão que existem municípios que se destacam pelo tamanho da mancha urbana, como Valinhos, Indaiatuba, Americana, entre outros. Pode-se verificar também que todas essas manchas estão conectadas por importantes vias de circulação, que são as rodovias de pista dupla ou pista simples, conforme consta na legenda do mapa.


Com o apoio de seu professor, sua turma vai se organizar em grupos para realizar uma pesquisa a respeito do alcance das redes sociais e geográficas de duas cidades do Estado de São Paulo. Para tanto, sigam as próximas instruções:

* A turma toda vai pesquisar sobre a cidade de São Paulo e a cidade em que vocês moram. Caso morem em São Paulo, escolham, com a orientação do seu professor, uma cidade de médio porte do interior do Estado.

 

*Combinem com seu professor de que modo cada grupo apresentará os resultados à turma para que todos tenham uma visão de conjunto dos dois casos pesquisados.

*Durante a apresentação dos resultados, registre individualmente em seu caderno as características expostas pelos demais grupos.

Desafio!

Após a apresentação dos resultados de todos os grupos, responda às questões a seguir:

1.-São Paulo é uma cidade que estende suas redes de relações? Por quê?

Sem dúvida, São Paulo é uma cidade que estende muito suas redes de relações e é um grande espaço de conexões que integra um volume enorme de pessoas e de atividades, tanto internamente quanto com realidades geográficas externas. Na verdade, integra seus habitantes com o mundo.

 

 

2.-A outra cidade pesquisada cria redes de relações? Dê exemplos.

 

As cidades são sempre espaços relacionais, mas é variável o grau dessa condição. Há uma série de fatores relacionados a esta condição, como o tamanho da cidade, suas atividades econômicas, localização, entre outras.

 

 

Leitura e análise de texto

 

Leia o Texto

 

1.-Com base no texto e nos mapas Região Metropolitana de São Paulo (p. 41) e Região Administrativa de Campinas (p. 42), responda:

a) São Paulo pode ser considerada uma metrópole? Justifique.

Sim, pois tem conexões regionais, estaduais e globais, seja na economia, no turismo, nas correntes migratórias, cultura, entre outras.

b)-Campinas pode ser considerada uma metrópole? Justifique.

Sim, uma metrópole regional, exerce influência em grande parte do estado, em estados vizinhos, tem uma economia forte, inclusive com ramificações internacionais, já que tem um dos maiores aeroportos de carga que distribui e recebe mercadorias da maior parte do mundo.

2.-A cidade que seu grupo pesquisou, além de São Paulo, pode ser considerada uma metrópole? Justifique.

Aqui depende da cidade pesquisada.

3.-Quais são as duas concepções de cidade global que o texto apresenta?

Influências em escala Mundial. São cidades mais estratégicas na globalização, os principais lugares da rede de relações econômicas que forjam a globalização.

4.-Qual é o critério pelo qual São Paulo pode ser considerada uma cidade global?

O acesso cotidiano de sua população e de suas relações à escala mundial.

1.-Como a cidade de São Paulo está classificada nesse quadro? Comente.

São Paulo é uma metrópole situada nesse quadro como o núcleo principal de uma megalópole (uma configuração urbana de escala regional) sul-americana, que seria uma das bases (com papel mais ou menos secundário) do Arquipélago Megalopolitano Mundial, uma designação possível para o que se denominou antes como espaços da globalização. Essa classificação é uma proposição de classificação e entendimento da rede de cidades que constituem a escala mundial.

 

2.-Amplie sua descrição sobre o quadro considerando os países desenvolvidos e os países denominados emergentes.

Observando o quadro mais detalhadamente, pode-se identificar uma divisão entre as megalópoles das áreas de maior desenvolvimento econômico (EUA, Europa e Japão), que teriam um papel mais ativo nessas redes de cidades, e as megalópoles das denominadas áreas emergentes, que ainda não têm a mesma importância nessa rede mundial, embora já a integrem. Acrescente-se também que pertencer a essa rede aumenta o potencial de desenvolvimento desses núcleos urbanos. O modo como a classificação é feita ressalta, ainda, a importância da integração regional das metrópoles, até que elas possam ser identificadas como megalópoles. Além disso, há megalópoles de expressão mundial que ainda não chegaram a essa condição, mas que caminham nessa direção e que, em termos regionais, têm grande importância; é o caso de Moscou, na Rússia, que articula um rol importante de relações com os países vizinhos (CEI), algo herdado da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

 

 

3.-Com o auxílio de um mapa-múndi político, localize os núcleos do Arquipélago Megalopolitano Mundial e represente-os no mapa mudo a seguir.

 

Este exercício de localização dos pontos principais desse arquipélago das cidades que compõem os espaços da globalização é importante para notar as proximidades regionais, mas também para perceber como o seu tamanho é pequeno na escala do planeta em termos de extensão, embora sejam esses os espaços comandantes da escala mundial.

 

BIBLIOGRAFIA:

Caderno do Aluno - Secretaria da Educação de São Paulo - Volume 2

Caderno do professor - Secretaria da Educação de São Paulo - Volume 2

 

Professor:  Luiz Maximo Calegari

 

Login