Luiz M. Calegari

Cada Click é um Mundo

Get Adobe Flash player

AS GRANDES PAISAGENS NATURAIS BRASILEIRAS - Aprendizagem 1 –  2º Semestre Geografia   -  7° Ano  


O Mapa da página 5 do caderno do aluno é sobre os ecossistemas brasileiros, podemos observar que os mesmos estão representados por cores. Seguindo a seqüência de cores que está estabelecida na legenda, de cima para baixo temos: Amazônia, é a maior área do mapa; em seguida vem os Cerrados, o segundo ecossistema em tamanho; Em amarelo temos a Caatinga; O Meio Norte, do lado Oeste da Caatinga; Em seguida vem o Pantanal do lado oeste do Cerrado; Costas e Florestas Atlântica representada em verde  em todo lado leste do Brasil, no litoral com o Oceano Atlântico; O verde mais claro são as Florestas Semicaducifólias, Em seguida para o Sul temos os Pinheiros e por último, lá no Rio Grande do Sul o ecossistema Extremo Sul.

 

O Brasil é um país de dimensões continentais, grande também é a biodiversidade, temos uma grande variedade de biomas, as paisagens naturais são as mais diversas, são ricas em minérios, formações florestais, uma imensidade de rios, um berço perfeito para os seres vivos, animais e vegetais.

 

Toda essa riqueza natural que recebemos tem sido muito degradada, usada, explorada de forma incorreta e apesar da imensidão que representa já começamos a sentir os efeitos. A degradação vem desde a descoberta do território, mas, acentuando-se no último século.

 

A mata Atlântica foi o primeiro bioma a sofrer as consequências da colonização por estar localizada na faixa litorânea, exatamente por onde a colonização iniciou e a primeira atividade econômica foi a exploração da madeira. Com o povoamento a exploração se diversificou e atualmente, da mata original restam em torno de 7%. O que resta, ainda sofre com desmatamentos, preservar é preciso para que não sejam extintas importantes espécies animais e vegetais.

 

A devastação da Floresta Amazônica começou a ser percebida nos últimos 100 anos, mas a aceleração deste processo tem preocupado o mundo todo. O avanço das fronteiras agrícolas e pecuária provoca constantes desmatamentos e queimadas, provocando a extinção de milhares de animais e espécies vegetais.

 

O Cerrado brasileiro é o segundo bioma em extensão, encontra-se fragmentado ao extremo, estima-se que da vegetação original restam apenas em torno de 20%. Localizado na região central do Brasil.

 

A Região Nordeste e os Campos do Sul vêm sofrendo com a desertificação, situação extremamente grave pois será praticamente irreversível os danos ou a recuperação do bioma original. Estudos indicam causas diversas, mas o uso de forma incorreta do solo é um dos maiores vilões.

 

O Brasil tem a maior biodiversidade do mundo, em parte pelo tamanho do território e também pela variedade de biomas e micro biomas, tem a maior parte dentro da faixa tropical, a Região Sul localiza-se ao sul do trópico de Capricórnio, além da formação do relevo que enriquece o ecossistema, sendo que algumas espécies da fauna e flora são exclusivas de nosso território.

 

Leitura e Análise de Imagem

 

A sequência de imagens das páginas 6, 7 e 8 do caderno do aluno nos mostram como são os ecossistemas anteriormente relacionados, em sua realidade,  vamos classificar as paisagens representadas nas imagens a seguir,  para isso vamos usar:  (A) Amazônia, (B) Extremo Sul, (C) Costas e floresta atlântica ou (D) Cerrado. Assim, na sequência de imagens teremos as letras:

 

Letra D =  Cerrado brasileiro: Formado por árvores pequenas, de troncos retorcidos, folhas e cascas grossas, esparsas entre a vegetação rala e na maior parte rasteira, localizada na região central do país. Durante muito tempo foi rejeitada principalmente pela agricultura. Hoje encontra-se muito fragmentada, restando poucas áreas de vegetação nativa. Apresenta um relevo variado, mas predominância é de planaltos;

 

A letra A = Amazônia é o maior bioma brasileiro, cerca de 5 milhões de km quadrados, biodiversidade variada, de clima quente e muito chuvoso, ultimamente castigada pelo desmatamento e queimadas constantes.  Apesar de num lance do olhar parecer uma floresta contínua e única, contem seus contrastes,conta com regiões de terra firme, campinas e igapós, além daquelas de sopés e encostas;

 

A letra C = Costas e floresta atlântica: ( aqui  temos duas imagens desse ecossistema, a primeira é da Floresta da parte mais alta na encosta da serra e a seguinte da área de mangue do litoral), é uma floresta densa, com árvores altas e grande biodiversidade. (praia, mangues e dunas) e floresta tropical, mais conhecida como Mata Atlântica, que abriga uma enorme diversidade de espécies animais e vegetais. Originalmente, essas florestasse estendiam por todo litoral brasileiro, acompanhando planaltos e serras. A devastação impiedosa fragmentou o bioma de tal forma que hoje restam apenas alguns pontos da vegetação original;

 

E a letra B = Extremo Sul – Colinas cobertas por vegetação. Pampas– localizados ao sul com o Uruguai e a oeste com a Argentina, ao sul e oeste, ospampastem como principal característica, a vegetação rasteira formada por gramíneas, com alguns arbustos e árvores de pequeno porte. Esse tipo de vegetação tem boa resistência a escassez de chuvas. Seu relevo é levemente ondulado, sendo suas altitudes sempre inferiores a 500 metros.

 

Conforme mostrado no Mapa Ecossistemas verificamos que o ecossistema que ocupa a maior extensão do território brasileiro é  Amazônia, são florestas tropicais, região quente e úmida, a precipitação de chuvas anuais é muito grande e é um ecossistema que está sendo muito degradado, por desmatamentos e queimadas.


O Estado de São Paulo, apesar de não ser um dos maiores em território é contemplado com parte dos seguintes ecossistemas: Floresta estacional semidecidual = Mata Semicaducifólia — Esse tipo de vegetação está ligado às estações climáticas, uma tropical, com chuvas de verão e estiagem acentuada, e outra subtropical, sem período seco mas com seca fisiológica por causa do frio do inverno, ocorrem nas áreas brasileiras com esses tipos climáticos, parte de suas árvores perdem as folhas durante o período seco, enquanto as demais são perenes. Costas e Floresta Atlântica, floresta densa, com árvores altas e grande biodiversidade. Cerrado com árvores de pequeno porte espaçadas e vegetação rasteira. E os Pinheiros: árvores de médio e grande porte, com folhas pontiagudas.

 

Este Mapa dos ecossistemas brasileiros retrata a situação original, hoje a situação está bem diferente pois desde o inicio da colonização eles foram sendo devastados, uns mais outros menos, no mapa isso não é visível porque num mapa não podemos observar a ação do homem nesses ecossistemas, entre eles, apesar de estar sendo degradado também, a Amazônia é o que está mais conservado e o mais devastado é a Mata Atlântica, que sofre as conseqüências das ações humanas desde o início da colonização.

 

Se compararmos os mapas: As Modificações Antrópicas e o Mapa Ecossistemas do caderno do aluno podemos observar que há uma diferença entre eles: O mapa “As modificações antrópicas” representa as zonas antropizadas, ou seja, transformadas pela ação humana, que não foram consideradas no mapa “Ecossistemas”,

que não mostra a ação humana.

 

Considerando a extensão das “zonas antropizadas” os ecossistemas mais preservados são; Amazônia e Pantanal. enquantos os mais devastados são: Costas e floresta atlântica, Floresta semicaducifólia e Pinheiros.

 

Comparando a situação do Cerrado até 1960 com a situação em 1997, no Mapa da página 12 do caderno do aluno, veremos que até 1960, existiam poucas manchas de “zonas antropizadas” no Cerrado, enquanto em 1997 uma grande parte desse ecossistema já havia se transformado pela ação humana, como as atividades agropecuária e o surgimento de muitas cidades.

 

O mapa da página 13 do caderno do aluno representa os biomas brasileiros identificados pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O Mapa da página 14 do caderno do aluno, os domínios morfoclimáticos brasileiros, na leitura desses mapas vamos ver que o IBAMA identificou sete biomas, são eles: (Amazônia, Cerrado, Mata atlântica, Pantanal, Caatinga, Zona costeira e Campos sulinos).

Por outro lado Aziz Ab’Saber identificou seis domínios morfoclimáticos, são eles: (Amazônico, Cerrado, Mares de morros, Caatingas, Araucárias e Pradarias), além das Faixas de transição entre um domínio morfoclimático e outro.

 

Podemos observar também que o domínio das Araucárias corresponde a parte do bioma Mata atlântica, e que o bioma Pantanal corresponde a parte de uma faixa de transição localizada a oeste do domínio Cerrado, portanto não corresponde a nenhum domínio morfoclimático.

 

Outro dado interessante que pode ser levantado na leitura desses mapas é que não é possível delimitar rigidamente a fronteira entre paisagens naturais,      pois as mudanças nas paisagens naturais ocorrem de maneira gradativa. Entre a Floresta Equatorial e o Cerrado  por exemplo, há uma faixa de transição de dimensões variáveis.

 

As imagens apresentadas na página 16 do caderno do aluno parecem pertencerem a biomas diferentes, mas não, ambas integram o bioma Mata Atlântica, no qual coexistem formações florestais tropicais e subtropicais. Já no que diz respeito a domínio morfoclimático há uma diferença, a primeira pertence ao domínio Araucárias, relativamente homogêneo, que se estende sobre os Planaltos subtropicais do Sul, e a segunda integra o domínio Mares de Morros, que acompanha a faixa litorânea e avança pelo interior em alguns trechos.

 

A imagem da página 17 do caderno do aluno é bem característica, claramente visível que pertence ao bioma PANTANAL, podemos identificar no mapa “Brasil: domínios morfoclimáticos”, que essa paisagem integra uma “faixa de transição”, uma vez que as faixas de transição ocorrem nos limites dos domínios morfoclimáticos, constituindo grandes corredores que mesclam características das paisagens naturais adjacentes.

 

Caderno do Professor 2º Semestre

Caderno do Aluno 2º Semestre

http://www.scielo.br/pdf/ea/v16n45/v16n45a02.pdf

http://www.infoescola.com/rio-grande-do-sul/geografia-do-rio-grande-do-sul/

Login