Luiz M. Calegari

Cada Click é um Mundo

Get Adobe Flash player

APRENDIZAGEM - 3 - OS CERRADOS DO BRASIL CENTRAL  - 7º Ano

 

Leitura e análise de mapa

 

O Cerrado brasileiro é o segundo bioma em tamanho, sua presença está em mais da metade dos estados brasileiros, como podemos observar no Mapa da página 13 do caderrno do aluno 2º semestre, são eles: Maranhão, Piauí, Ceará, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Goiás, Tocantins,

Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Pará.

 

Nas páginas 29 e 30 do caderno do aluno temos algumas imagens retratando a invasão do cerrado brasileiro por atividades antrópicas muitos comuns nesse bioma. São elas:

 

Página 29 = Vista aérea de Brasília (DF), abr. 1999.

 

Página 30 = Cultivo de soja em primeiro plano. Morrinhos (GO), 1998.

Rodovia Belém-Brasília. Gurupi (TO), 2000.

 

Cada uma delas teve, e ainda tem, o seu grau de agressividade ao meio ambiente daquele bioma, isso acontece em todo o território nacional, até na Amazônia que está mais preservada vem sofrendo cada vez mais com a invasão das atividades humanas. Nas imagens mencionada podemos destacar o seguinte:

 

Brasília, representada na imagem, foi construída no domínio Cerrado, causando profundas alterações na paisagem natural.

 

A expansão da agricultura, principalmente da soja, é uma das maiores ameaças ao Cerrado, cuja fisionomia aparece no fundo da fotografia.

 

As estradas que cortam o Cerrado, tais como a representada na fotografia, também contribuem para o desmatamento.

 

Por ser o Cerrado uma mata não tão dense como a Amazônia e Mata Atlântica, o seu desmatamento tem conseqüências das mais importantes porque o desmatamento do Cerrado implica também a aceleração de processos erosivos, o assoreamento dos rios e a poluição das águas. Além de que apesar de não ser densas como a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica também é muito rico em biodiversidade. Portanto, afeta de maneira significativa a qualidade de vida da população regional.

 

Página 31 - Leitura e análise de texto

A carta reproduzida no II Encontro Nacional dos Povos das Florestas, que está na página 31 do Caderno do Aluno, retrata muito bem como é o Cerrado, a importância de sua preservação e as conseqüências que o homem vem provocando ao desmatar, destruir sua biodiversidade. Além da diversidade Biológica temos a Social, uma Cultura dos povos do Cerrado, veja abaixo cada um deles:

 

Geraizeiros: habitantes dos campos gerais, caracterizados por chapadas.

 

Veredeiros: habitantes das veredas, áreas férteis que separam as chapadas, nas quais ocorrem as roças e a criação de bois.

 

Quebradeiras de coco: mulheres que tiram seu sustento da quebra do coco babaçu e da venda de seus produtos, que podem ser usados na produção de óleo, carvão, ração animal, artesanato e cosméticos.

 

Vazanteiros: pequenos agricultores que ocupam as margens dos rios.

 

Pescadores artesanais: pescadores que usam técnicas artesanais, ao contrário do que ocorre na pesca industrial.

 

Retireiros: trabalhadores rurais responsáveis pela ordenha dos animais nos sítios e fazendas do Pantanal.

 

Pantaneiros: moradores do Pantanal. Alguns deles exercem atividades tradicionais, tais como os boiadeiros, responsáveis pela condução do gado, os extrativistas, que coletam os frutos regionais, e os pescadores.

 

Agroextrativistas: populações que combinam atividades agrícolas (tais como cultivo de árvores frutíferas) com atividades extrativistas.

 

Uma cartinha aos povos do cerrado;

Senhores geraizeiros, veredeiros, quebradeiras de coco, vazanteiros, pescadores artesanais, retireiros, pantaneiros e agroextrativistas, é com grande satisfação que através da presente venho prestar minha solidariedade aos povos deste imenso e importante bioma brasileiro. Eu, minha família, amigos e todos que vivem aqui em São Paulo, mesmo tão longe dos senhores e senhoras, sabendo de seus problemas ambientais e analisando os nossos, vejo que a situação é praticamente a mesma, agredimos e somos agredidos pelo meio ambiente,  aqui em São Paulo ainda sofremos com a poluição química da atmosfera e dos rios que cortam a cidade e seus arredores. Temos o problema da segurança, da violência nas ruas  e o congestionamento das vias, dos sistemas de saúde e educação e os problemas de moradia. Bem os problemas que temos aqui e vocês não tem aí, não coloca os senhores em vantagem, sei que o Brasil em sua imensidão e assim é no cerrado, todos os brasileiros que vivem da força do seu trabalho diário necessita de uma atenção maior. Prezados irmãos e irmãs do Cerrado, finalizo esta convocando a todos para acreditarem nesse país e que um dia viveremos em harmonia com toda a sociedade e com o meio ambiente.

Aluno da EE Orestes Guimarães.

 

Vamos numerar os eventos abaixo numa ordem lógica que levou no surto de Febre Amarela no Brasil Central, em 2008.

Para isso leia o texto da página 33 do Caderno do Aluno, 2º Semestre.

 

1. A ordem lógica dos eventos é a seguinte:

 

(4 ou 5) Migração dos macacos para áreas urbanas.

(7) Contaminação progressiva de seres humanos pela febre amarela.

(2) Adensamento da população de macacos nas áreas remanescentes do Cerrado, ampliando a possibilidade de propagação de doenças, como a febre amarela, entre eles.

(6) Falha no combate, nas cidades, aos mosquitos transmissores da febre amarela.

(3) Aumento da população de macacos contaminados pelos mosquitos transmissores da febre amarela.

(1) Devastação do Cerrado.

(5 ou 4) Comércio de macacos como bichos de estimação.

 

O Mapa da Página 34 do Caderno do aluno traz os dois maiores biomas brasileiros identificados com as letras A e B.

O bioma da letra "A" Trata-se da Amazônia e a letra "B" do Cerrado, respectivamente. Na Amazônia, podemos citar a extração de madeira e as atividades agropecuárias com suas fronteiras avançando cada vez mais como fatores de devastação; No Cerrado, onde as atividades agrícolas e pecuária chegaram primeiro, hoje sofre com a expansão da agricultura modernizada.

 

Fontes:

Caderno do Aluno 2º Semestre

Caderno do Professor 2º Semestre

Login