Luiz M. Calegari

Cada Click é um Mundo

Get Adobe Flash player

APRENDIZAGEM 3 - Do clube de Roma ao Desenvolvimento Sustentável8º ano

 

1. A Terra é um planeta com um estoque limitado de recursos e com capacidade igualmente limitada para sustentar a vida humana.

 

2. o desenvolvimento sustentável só ocorre quando as necessidades do presente são atendidas de maneira a não comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades.

 

Você sabe o que é desenvolvimento sustentável?

Desde o inicio da humanidade na Terra o homem busca na natureza os elementos necessários para sua sobrevivência e para tornar sua vida mais confortável. Com o surgimento da técnica, da agricultura, a natureza foi sendo mais agredida e cada vez mais recursos naturais sendo retirados. Nos últimos 100 anos, quando a natureza começou a sofrer mais intensamente com as atividades do homem, organizações, congressos internacionais começaram a tratar do assunto desenvolvimento visando a preservação dos recursos naturais. Nas páginas 24 e 25 do caderno do aluno temos um texto que retrata a opinião, em três períodos diferentes da história, daqueles que se reuniram para tratar deste assunto, cada um desses grupos com uma visão diferente sobre o desenvolvimento econômico e social.

 

O Clube de Roma, naquela época, defendia uma idéia mais conservadora, propondo que tanto o crescimento da produção econômica quanto da população seja limitado. Dessa forma, esse grupo acredita que haveria menos consumo de recursos naturais e menor degradação do meio ambiente.

 

Quanto ao relatório “Nosso futuro comum”, publicado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1987 argumenta que a crise ambiental resulta do uso intensivo dos recursos naturais, que ocorre principalmente nos países líderes em

produção de riquezas, isso é, nos países desenvolvidos.

 

As principais diferenças entre as soluções apontadas pelo Clube de Roma e pela Eco-92 para solucionar o problema da crise ambiental foram: As soluções apontadas pelo Clube de Roma tinham como alvo limitar o crescimento da produção e da população sem considerar o bem-estar das pessoas, especialmente as mais pobres. Já as propostas apontadas na ECO-92 buscam conciliar a sustentabilidade ambiental com a satisfação das necessidades essenciais de todos, no presente e no futuro.

 

Na Eco-92, ficou explícito também, que a parcela de responsabilidade pelos problemas ambientais deve ser diferenciada em relação aos países pobres e ricos, ou seja: os países ricos consomem a maior parcela dos recursos naturais e, portanto, devem arcar com maiores responsabilidades no combate aos problemas gerados pelo consumo excessivo. Além disso, eles dispõem de mais recursos para investir em tecnologias sustentáveis, ou seja, que minimizem os impactos das atividades humanas sobre os ambientes naturais.

 

O desafio é: como manter o desenvolvimento sustentável nas diferentes escalas global, nacional e local. Para isso, as ações para enfrentar a crise ambiental devem ser:

 

●● Escala global: os impactos ambientais não respeitam as fronteiras entre os países e nenhum país vai conseguir sozinho enfrentar a crise ambiental. Trata-se, portanto, de desenvolver o conceito de interdependência ecológica, que explica, por exemplo, como a poluição produzida em um país se torna um problema climático em outro. Por isso, são necessários os tratados e convenções internacionais sobre o ambiente.

 

●● Escala nacional: as convenções e metas globais devem ser incorporadas e adaptadas por meio de políticas que regulem e estruturem o uso dos recursos naturais em todos os países do mundo. Afinal, apesar dos acordos internacionais, os governos nacionais são soberanos na gestão de seu patrimônio ambiental.

 

●● Escala local: a sustentabilidade não envolve apenas os governos e só será efetiva se incorporada ao modo de vida de todos. Portanto, o consumo responsável e a adoção de práticas cotidianas que visam a minimizar a degradação ambiental (como a coleta seletiva de lixo e a reciclagem) e ampliar a conscientização sobre as questões ambientais são essenciais para a promoção da sustentabilidade.

 

O Mapa da página 28 do caderno do Aluno, Volume 2, mostra a evolução da cobertura vegetal no mundo, analisando este mapa chegaremos às seguintes conclusões:

Na zona intertropical. A devastação é mais intensa no sudeste da Ásia, na África subsaariana e no litoral

brasileiro.

 

A transferência de tecnologias e de capitais dos países desenvolvidos para os países nos quais se localizam as florestas como uma das alternativas para a resolução do impasse em debate. É importante também a conscientização sobre o uso de mercadorias que possuam certificação ambiental, além da busca por alternativas locais de desenvolvimento sustentável.

 

Os textos e imagens das páginas 29, 30  e 31 do Caderno do Aluno 2º Semestre, mostram áreas onde a cobertura vegetal foi retirada e as conseqüências desse ato, são áreas inundadas, deslizamentos de terra, enfim, imensos transtornos para a população. São necessárias ações que resultem no manejo dos ecossistemas, estabelecendo um conjunto de intervenções que promovam a conservação biológica, visando ao gerenciamento de recursos naturais em relação à capacidade dos ecossistemas de suprir as demandas ecológicas e futuras necessidades humanas

 

Em cada um dos casos apresentados, a biodiversidade foi atingida diretamente, destruição e diminuição dos habitats naturais, entradas de espécies invasoras devido a quebra do ciclo biológico, poluição do solo,  águas e atmosfera, mudanças climáticas, entre outras.

 

Existe sim, relação entre o princípio da responsabilidade diferenciada, preconizado pelo relatório Nosso futuro comum, e os termos do Protocolo de Kioto, pois de acordo com os termos do Protocolo de Kyoto, apenas os países desenvolvidos devem cumprir as metas de redução de emissão dos gases de efeitoestufa, já que são eles os maiores responsáveis pelos problemas ambientais que assolam o planeta.

 

Nas páginas 32 e 33 do Caderno do Aluno 2º Semestre temos a Agenda 21 que estrutura-se em torno de cinco dimensões e 21 linhas estratégicas visando a proteção ambiental. Será que cada uma daquelas estratégias estão sendo seguidas? leia cada uma delas e faça uma reflexão.

 

CALEGARI, Luiz Maximo - Graduado em Geografia e pós graduado em Docência do Ensino Superior

 

FONTES:

Caderno do Aluno 8º Ano 2° Semestre 

Caderno do Professor 8º Ano  2° Semestre

Login